domingo, 25 de abril de 2010

Clear


Uma longa respiração de bom dia revelam devaneios da noite anterior. Então, você acha que um banho resolvera tudo, te confortará pelo fracasso da noite passada. Mas, não, ele só afirma o quanto está frágil, o quanto você deixou pedaços de vida em sua busca por conforto momentâneo. E você senta à beira do chuveiro, esperando uma síntese de tudo, um acordo de paz entre você e você, enquanto a agua quente "alivia" sua dor de cabeça intensa. Depois de algum tempo, você começa a perceber que até água do banho esta lhe agredindo de alguma forma. Quando menos espera, você vê a sua sujeira esvaindo-se pelo ralo. Toda a sua sujeira, que você não limpa, só transporta de um lugar para o outro, como uma alusão a história do debaixo do tapete. E assim você pensa: "estou limpo", pronto pra começar. Porém, todo aquele excesso de pele morta e impurezas eram as unicas coisas que te protegiam do ambiente, seu corpo era toda a sujeira que se foi pelo ralo.

Um comentário: